terça-feira, 3 de dezembro de 2013

Burning Man


Momento apoteótico do Burning Man: o gigante pega fogo.

— Um... deserto? — a situação pareceu-lhe ainda mais preocupante.
— Sim... — Paul foi atenuando o tom de voz: — É o deserto Black Rock, território norte-americano. Mas nem tudo lá em cima é árido. No noroeste, por exemplo, é possível encontrar regatos, vegetação baixa e animais silvestres. Sei disso porque foi na região que fiz o meu batismo de fogo na Agência (CIA). Coube a mim na época levantar a cortina do festival Burning Man, o ajuntamento mirabolante que acontece em agosto e reúne gente aos milhares, de todos os naipes, e isso em pleno deserto. Já ouviu falar?

Todos os anos, em agosto, uma fauna humana se reúne no deserto Black Rock para celebrar o Burning Man.

O dr. Minamoto nada disse. Continuou a encarar Paul, que achou melhor completar:
— A maioria das tribos customizadas que participam do festival é composta por lunáticos e aventureiros inofensivos. Claro, o time não estaria completo sem os gays e as lésbicas também...



Paul percebeu os olhos arregalados do “professor” fitos nele. Então foi tratando de clarear melhor as coisas, antes que fosse tarde demais, e agora com um ar mais sério:
— Aconteceu que o serviço secreto americano ficou muito atento ao encontro anual. Num lugar árido e escaldante, inteiramente desprovido de faustos, nem comodidades, alguns bilionários influentes começaram a fazer parte daquilo também. Lá se nivelavam à ralé sujeitos às mesmas normas comunitárias. E isso só pelo gostinho do puro espírito aventureiro?

Acampamento (cidadela) formado durante o festival Burning Man em pleno deserto.

Silêncio e um par de olhos o encarando seriamente.
— E depois, quando levantavam acampamento, nem lixo nem detritos ficavam para trás. Suspeito demais... O que atraia fidalgos e grandes homens de negócio para um inferno cheio de pirados e libertinos?
— Eu sei lá, rapaz. Diga-me você que habitou entre eles.
— Pois bem. Descobrimos que o verdadeiro evento anual não é público. Em meio à condensação humana no deserto, uma minoria para lá sempre se desloca a fim de promover, durante o festival de doidos e emancipados, o mais sigiloso e escamoteado intercâmbio deste planeta: negociatas fabulosas, estratagemas e conchavos políticos, alianças comerciais impublicáveis e acertos de todo tipo... Segredos acordados na calada da noite e tendo as estrelas como únicas testemunhas. O senhor compreende o que isso significa?


Silêncio.

— É o mesmo que dizer sem interceptação na Internet, ou mediante qualquer outro meio espião usual. Aqueles figurões sentam seus traseiros ricos no chão, à maneira pré-histórica. Nus em pelo e face a face, sem celulares nem mais nada. Eles assim se colocam bem longe de grampos eletrônicos, microcâmeras ou softwares de rastreamento. Pois os poderosos sabem muito bem que não existe mais privacidade no mundo hoje em dia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário